Postado 17 de dezembro de 2018

Prioridade com bebês e crianças nos aeroportos: o que você precisa saber!

Prioridade com bebês e crianças em aeroportos, você sabe se ela realmente existe, no mundo todo?

Pense nesta situação: você está nos Estados Unidos com uma criança pequena, 1-2 anos, e chega para fazer seu check-in no balcão da cia aérea no aeroporto. Vê que a fila é grande. Sabe que não será muito fácil enfrentá-la com a criança junto, e por isso procura o atendimento prioritário.

Mas, você descobre que a prioridade para este público, neste aeroporto, não existe. E logo pensa “como assim”?

Apesar de não ser um exemplo específico de uma pessoa na vida real, o que é fato é que nem todos os aeroportos e países possuem atendimento prioritário, e mais uma surpresa: isso nem sempre é obrigatório.

A prioridade pode variar para cada lugar, e por isso trouxe este post para mostrar um pouquinho melhor sobre esse assunto.

Prioridade para bebês e crianças: é ou não obrigatória? 

Depende, pois isso varia geralmente por país. No Brasil, ela é sim obrigatória e você facilmente encontra nos balcões de atendimento para check-in e despacho de malas, assim como no embarque das cias aéreas uma área de fila preferencial. Isso também existe para o Raio-X nas salas de embarque, e inclusive nos guichês de imigração das viagens internacionais. Há quase em todos os casos uma pessoa orientando ou ao menos uma placa indicativa sobre isso. Usei em praticamente todas as minhas viagens com nossos filhos.

Porém, isso já não é um fato fora do país, para todas as situações que mencionei. Na Europa, a maior parte dos casos a prioridade foi oferecida, mas ouvi algumas exceções que não tiveram prioridade. Já nos Estados Unidos é o contrário: ela não acontece em quase todos os casos, inclusive com idosos e gestantes, apenas para pessoas com deficiência é garantida. Aí depende muito da boa vontade e gentileza de quem está trabalhando no momento de ceder, ou não, alguma prioridade à sua família (já adianto, não espere muito).

Eu mesma, Flávia – colaboradora Mãe no Mundo deste texto –  já passei por duas situações, nos Estados Unidos. Na primeira, eu estava grávida. Quando cheguei na imigração americana, meu esposo insistiu em perguntar se havia uma fila preferencial. O rapaz que estava orientando os passageiros falou para ficarmos na fila de residentes, mas quando chegou nossa vez, a atendente de imigração ficou furiosa de que estávamos “na fila errada” (e o medo de algo acontecer na imigração né kkkk). Explicamos rapidamente que apenas estávamos ali por ter sido indicado pelo rapaz, e ela foi tirar satisfação com ele, que disse que todos os residentes já haviam passado e por isso nos colocou ali. Daí as coisas seguiram e felizmente seguimos sem problemas (mas foram 3 minutos intensos).

Já na segunda experiência, foi quando chegamos em Miami com nossos 2 filhos. Não falamos absolutamente nada, mas já nos orientaram seguir por uma fila diferente. Três pessoas indicaram os acessos que deveríamos tomar por estar com crianças, e foi muito tranquilo e relativamente rápido. Passamos numa boa.

Por isso, pode ser que uma criança de 3 anos esteja chorosa e a atendente realize o check-in previamente, pensando no bem estar tanto da família, ou inclusive por ser uma orientação da empresa. Mas, pode ser que você tenha que levar seu filho no colo por uma longa fila de embarque, porque é assim que as coisas funcionam em seu destino.

Ainda assim, algumas companhias possuem políticas próprias em relação à isso. Um caso é a Air Canada, que garante embarque prioritário com crianças até 6 anos.  Porém, este é um benefício desta empresa, e não uma convenção geral em todas elas.

Em todo o caso, prepare-se, para que em todas as situações as coisas sejam as mais tranquilas possíveis!

E quando prioridade é lei, até quando ela vai?

Considerando o exemplo do Brasil, a prioridade é garantida n Lei Federal nº 10.048/2000 para alguns grupos, incluindo crianças de colo. Porém, não existe uma idade ou definição exata do que é uma criança de colo.

Pensando que uma criança de colo é uma criança que não ainda não anda, são raros casos de crianças menores de 1 ano e meio que entrarão na prioridade então. Porém, podemos pensar que uma criança de colo pode ser aquela que pode ou precisa ser levada no colo por algum motivo (incluindo sono ou cansaço), e nesse caso, teremos crianças mais velhas.

O Procon-SP fez uma publicação interessante sobre este conceito, usando inclusive o bom senso em sua posição. Mencionou que “Esta lei não traz qualquer definição sobre o que seja criança de colo. Cabe, portanto, o uso de bom senso para poder identificar o caso da criança que precisa do seu responsável para poder locomover-se (por ser muito pequena, por estar doente ou dormindo, etc.), devendo observar o princípio da boa-fé”.

Portanto, ainda que crianças depois de 2 anos tenham um tratamento diferenciado quanto a preços de passagens e assentos (confere tudo neste post em que falamos quais mudanças são), ela pode, ou não, ser considerada prioritária. Vai variar muito do momento, da situação e da criança.

Sobre o atendimento prioritário, fiz uma pesquisa com as principais companhias aéreas atuantes no Brasil. E recebi o seguinte retorno dos contatos que realizei:

AVIANCA
A prioridade de embarque prevista por lei está relacionada a criança de colo.

GOL
Não se posicionou especificamente deste assunto, mas há guichês prioritários nos aeroportos.

AZUL
A prioridade para o embarque são para as pessoas que viajam com crianças pequenas, idosos, mulheres grávidas e pessoas com deficiência.

LATAM
Referente à prioridade, esclarecemos que pessoas com crianças de colo, junto com idosos, gestantes e os demais garantidos por lei, possuem prioridade no embarque. 

Por fim, para saber se sua família possui atendimento prioritário, eu recomendo perguntar a um responsável na cia aérea sobre isso. É possível que as pessoas já encaminhem você diretamente para a prioridade se você estiver com seu filho no colo ou em um carrinho (independente de seu filho ter mais de 2 anos ou não, você ainda pode despachá-lo na porta do avião ou fechá-lo na porta, no caso dos modelos compactos – confira o post completo sobre o uso de carrinhos nas viagens de avião).

E em geral, há muitas pessoas gentis, como passageiros que cedem seu lugar na fila ou funcionários que ajudam de alguma forma, independente de a prioridade ser obrigatória, isso já é um alívio!

A prioridade é um conforto, mas não é apenas ela que fará sua viagem ser mais fácil. Não se esqueça de se informar e planejar bem o que puder, isso que faz a diferença maior!

Relacionado a este assunto, leia também:

Viagem de avião a partir de 2 anos: O que muda agora?

Dicas sobre carrinhos de bebê (e similares) para viagens de avião

Colaboração de Flávia Sphair, que faz parte Equipe Mãe no Mundo, e também está no Blog/Instagram Turismo em Família

 

Gostou? Então salve para depois ou compartilhe com o seu mundo:
Comente via Facebook
Comente no Blog